Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Invisible Girl Daily

Sou do tipo de pessoa que molha a casa depois da banho, come doces antes do almoço, briga com amigos as vezes sem razão, come toda a pipoca durante os trailers, erra, mas afinal quem é perfeito? Aproveite a vida enquanto a tempo.

Invisible Girl Daily

Never say goodbye...

large (1).jpg

Hoje está insuportável, como te posso ter perdido em questão de meses. Como assim estás aqui comigo mas não te vejo. Já quase 5 meses passaram. Como te amo mais agora quando te tinha aqui em carne comigo. Cada dia vejo mais os teus traços em mim, dou por mim a pedir que venha um dos teus sermões . Em casa ainda ouço a tua voz e viro a cabeça com esperança de te ver a entrar pela sala adentro. Ouvir o teu respirar e a tua voz. Ver o teu sorriso ou simplesmente poder-te sentir a barba a picar. É cruel ficar sem ti quando supostamente tenho tanta vida ainda pela frente e tu devias estar aqui para me sorrir em cada etapa. Sempre o meu apoio mesmo nem tu nem eu darmos conta. Fazias de mim uma pessoa mais forte.

Uma casa vazia foi o que ficou, nem acredito que não te vou ver mais. Tenho medo de esquecer tudo, de te perder dentro de mim, mas como seria isso possível sendo eu tão tu. Agradeço a quem criou a vida por te ter dado a mim de presente como filha e por me ter dado a oportunidade de te ter como pai. Não consigo te perdoar por me deixares no meio deste mundo sem ti. Eu entendo-te a sério que sim mas não consigo, desculpa.

Está insuportável sem te ter todos os dias em casa. Tenho saudade de tudo em ti, quero ouvir a tua voz, quero a tua refile-se, quero tudo de novo. Mas agora mais que tudo quero que estejas em paz. E eu dava tudo o que tenho e o que sou nesta vida para te poder ver outra vez. Sinto-me perdida de vez em quando. Ando meio à deriva não sinto que isto seja real, como assim metade de mim desaparece deste mundo assim de um momento para o outro. Lembro-me da última vez que te dei a mão, estavas meio consciente estavas tão fraco e frio, mal eu sabia que seria a última vez que te via com vida. Que aperto no coração, quem me dera nunca te ter deixado lá. Também foi no hospital a primeira vez que disseste que me amavas. Nunca me vou esquecer e nunca te vou esquecer, amo-te mais a cada dia e está insuportável estar sem ti, como uma família ficou despedaçada sem ti. És o meu elo mais forte e sempre serás.

Se tivesse um desejo só queria que tu voltasses. Volta para mim...

Love me in your silence...

13084254_10153819116279213_935720902_n.jpg

 Porque estou a aprender que o silêncio não quer dizer que esqueci, quer dizer que simplesmente me importo mas em silêncio. Há coisas que já foram distas vezes demais, sentidas demais. O silêncio para mim representa não esquecimento mas uma fase de recuperação. Há dias mais fáceis que outros, há dias que a saudade quase vence. Mas sou mais forte que isso. O silêncio é um passo fundamental mesmo me importando e preocupando, deixo isso aqui com os meus botões e longe do telemóvel. Saudade só quer dizer que o amor aconteceu apenas a pessoa que amamos não está mais aqui.

Olho ao espelho e tenho orgulho na mulher que me tornei, independentemente de tudo, estou grande e forte e mesmo com dias de choro e saudade, estou em pé e não há ninguém que me consiga derrubar. Tenho ao meu lado pessoas de forte coração e amizade... quem quis sair saiu, não guardo rancores nem magoas, apenas é a vida... Desejo a todos a felicidade e que encontrem o que andam à procura e que quando isso aparecer na vossa vida não fechem os olhos.

Tranquila e genuína como sempre, aqui me encontro a escrever, com um sorriso na cara porque a vida é boa, é simples, às vezes tão simples que não nos apercebemos e fazemos dela uma confusão. Daí o problema de muitas pessoas, não sabem viver o simples, não sabem aproveitar o simples... 

O simples é amar, eu transbordo amor podem levar o quanto quiserem e precisarem porque aqui o amor é inesgotável. Nunca ninguém perde por dar amor, quem ama sofre mas nunca perde, quem perde é quem não sabe receber o amor... Eu amei e amo, às vezes o amor parece grande demais para a pessoa pequena que sou e para  quando o que se amou foi embora, mas a vida melhora...

Eu sou mais amor e isso para mim chega...

Two coffees and one soul please!

large (1).jpg

Ela vira-se para mim com uma cara séria e de quem vai falar com conhecimento de causa. "Nota-se que ali eras mais feliz, estavas mais gordinha, com um ar mais leve, com um brilho especial". Meio sem jeito fiquei, embora ela pudesse ver tudo pelo meu olhar, alguém que presenciou tudo, que soube de tudo. Ela sabe o que ando a suprimir e o que não quero trazer à tona, olhou para mim e apenas me perguntou "porquê? Do que tens medo?" Bela pergunta não sei, nunca me vi numa situação assim. "Vicky não podes apenas lidar com isto tudo, sentes falta dele diz, queres saber como ele está pergunta, não sufoques. Do que tens tu medo?". Olho para ela com lágrimas quase a cair, mas não podia chorar ali, sentia-me tão exposta. "Vá não chores, eu sei. E vai ficar tudo bem e eu estou aqui". Por uns instantes fui puxada para uma outra cena, para um outro abraço num sussurro ouço a tua voz "Do que tens tu medo amor? Eu estou aqui, sempre estarei" e como uma brisa de vento sinto o teu toque, o teu cheiro... Até que sou forçada a voltar para a realidade, estou apenas sentada naquela mesa de café com ela à minha frente e sem ti. Ela volta-se para mim e diz que sabe que isto não acabou por aqui, coisa que loucos, como algo assim apenas se desmorona e a esta hora foi como se nunca tivesse existido, sinto a necessidade de lhe dizer que sim acabou, não me posso dar ao luxo de abrir a gaveta da esperança outra vez. Não desta vez... Já recuperei de mais para voltar para trás. Ela entende mas não percebe porque nada faço, se apenas meto um sorriso na cara e deixo as coisas simplesmente assim. Apenas lhe digo "sabes bem que sinto saudades, Mas não posso nem consigo." Ela apenas me olha e diz "Do que tens medo? O que tens a perder?".

E ficamos ali, ela a olhar para mim e eu sem saber do que realmente tenho medo...

Intimacy... for two

large.jpg

 

Intimidade, palavra engraçada...

Posso te contar que essa palavra neste momento não faz parte do meu mundo.

Não estou a falar de alguém me ver nua ou me tocar mais intimamente, estou a falar de alguém que me olha nos olhos e sabe o meu estado de espírito, ou por uma mensagem saber que não estou bem. Intimidade era o que tínhamos, algo que eu valorizei tanto, posso te dizer que era muito mais que intimidade, pelo tom da tua voz já sabia como estavas, do que precisavas, era tu ligares-me a disfarçar que não estavas a chorar e apenas dizeres "preciso de ti bebe, vem cá rápido" e eu ia como se a minha vida dependesse disso. Intimidade era ficarmos a falar até às tantas de tudo, ou simplesmente ligar o skype e ficar até demanhã, ou até ficar ligado enquanto um ou outro dormia.

Intimidade era a maneira como nos tocávamos fora de casa, como nos cuidávamos mesmo sem o outro saber. Era quando apanhavas aquela lágrima que eu nem tinha sentido. Intimidade foi tu me veres a alma nua e saberes tudo sobre mim, o que tenho e o que fiz, e mesmo assim me olhares com aquele brilho nos olhos como se fosse a pessoa mais linda e especial à face da terra, como me lembro tão bem desse olhar, nunca o pensei merecer. Era a maneira que pegavas em mim quando me vias a tremer e me sentava no teu colo e me apertavas com força, dizendo "eu estou aqui, sempre estarei aqui".

Intimidade era a maneira como via a tua preocupação quando estava com uma cólica, era a maneira que me mandavas uma mensagem de voz a dizer "ondi tas, ondi tas, tas ondi bebe" tão fofo e tão teu que era meu.

Intimidade era como adormecíamos com os lábios pegados porque nos recusamos a separar enquanto acordados, era a maneira como ficávamos deitados em silêncio, pezinho com pezinho. Era a maneira como me agarravas e dançamos no meio do quarto.

Intimidade era como me davas a mão no meio da rua, era a maneira que olhavas para mim quando íamos sair e eu estava a dançar longe de  ti, como o teu olhar transbordava tudo o que sentíamos. 

Intimidade era como fazíamos amor, um acto de puro sentimento, e que nos sentíamos mais ligados ainda, e no fim ficar abraçados sem mexer.

Intimidade era como partilhávamos uma alma, como tocávamos dentro um do outro. Intimidade era não nos sentimos completos longe. Era como partilhávamos tudo sobre tudo e sem medos. Intimidade era a necessidade que sentimos de contar tudo o que se passava quando estávamos longe do outro.

Intimidade era como nos abraçamos de almas nuas, sem barreiras, sem preconceito, nada mais do que duas pessoas que dividem uma alma. Era quando por ser 3 ou 4 da manhã não nos impedia de ligar um ao outro só porque sim.

Intimidade nada tem haver com dois corpos, tem sim haver com duas almas que se reconhecem, que se tocam e se amam independentemente do resto do mundo não possuir alma.

Where I Wanna Be

large.gif

 

Frases interessantes "tens de seguir em frente..."  e a "vida continua..." acho que nestes últimos meses nunca ouvi tanto disto.

Resumidamente como me sinto? Pergunta engraçada, mas que aos poucos me deixaram de fazer... Hey não estou a reclamar, até agradeço, por vezes é difícil de definir até para mim. Sinto-me bem, mas não sempre bem, acho que seja normal em qualquer pessoa, todos temos os nossos momentos. Estou a seguir em frente mas o que passou foi muito tempo, envolveu muito de mim, muito intenso, muito meu, muito bom... E eu não peço para esquecer, e nem vou agir como senão tivessem acontecido ou simplesmente meter numa gaveta fechada a sete chaves ou até mesmo te odiar, nem sei como se odeia uma pessoa que se ama ou amou, com quem se cresceu e viveu tanto... Todos os que esperam que eu faça isso, desculpem simplesmente não sou eu. Peço-te desculpa porque sei que querias que te odiasse...

Não gosto de fugir, nem me iludir e muito menos de fingir... Sinto o que sinto, e sei assumir para mim própria.

Se tenho saudades? Tenho. Se penso em ti? Penso.Gostaria de te ver? Por vezes sim outras vezes nem por isso. Queria que me fosses indiferente? Mais complicado, mas não, sinto que nunca o serás, uma parte de mim irá se perguntar como estás e querer que estejas bem e feliz. Foste e és importante para a pessoa que eu sou. Se te queria de volta? Neste momento não, a pessoa que és não tem espaço nesta pessoa que sou, irónico não? E memórias sempre ficam, isso nunca se consegue retirar nem apagar. Finge quem quer ou quem sabe...

 

Eu chorei o meu coração para ti, de mãos a tremer... Lá fora é tudo tão cruel. Fomos um, um que valeu como dois que fomos e pelo que fomos os dois, num só... mas posso te dizer que me orgulho de ter tido coragem de ter dado tudo. Lá está a minha mania de não saber quando desistir.

E eu, no meio disto tudo? Um belo furação diria eu, mas bem. Nunca me senti tão motivada para continuar a me mover, e é tão gratificante ver as coisas a mexerem... Sinto que cresci tanto, e esse crescimento doeu, e custou um mar de lágrimas e mais umas quantas nódoas negras, que tem dias que doem e me sufocam de uma maneira, mas adivinha? Estou em pé e de sorriso na cara, de optimismo como pequeno almoço, curiosidade no olhar,  vontade de querer mais e mais e sempre com um amor inacabável pela vida.

Não desistas de ti como eu não vou desistir de mim, as coisas são diferente, agora apenas quero cuidar de mim como um dia quis cuidar de ti. 

O meu futuro é incerto mas brilhante