Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Invisible Girl Daily

Sou do tipo de pessoa que molha a casa depois da banho, come doces antes do almoço, briga com amigos as vezes sem razão, come toda a pipoca durante os trailers, erra, mas afinal quem é perfeito? Aproveite a vida enquanto a tempo.

Invisible Girl Daily

Sorry but it's just sex...

large (1).jpg

Ali não existe...

Não existe sentimento, não me preocupo em saber de ti mais do que o necessário, pergunto como estás apenas por cordialidade, não há ali nada, não quero saber o que fazes do teu dia nem com quem passas e é recíproco, conversámos e metemos os pontos nos i's antes de começar isto, conhecemos o que achámos necessário. Não somos amigos, nem há ligação sentimental, apenas duas pessoas que se conhecem minimamente e que se encontram casualmente para terem sexo. Digam o que dizerem nada mais quero de momento, sinceramente nem consigo. Não quero partilhar a minha alma, não quero amores, quero algo mais superficial, não consigo dar mais de mim a mais desse nível... nunca foi de mim... mas agora é.

Não consigo sentimentos, não namoro para esquecer quem já me esqueceu e muito menos para ferir sentimentos de alguém que não merece e que nada tem haver com o passado. Não vejo mal nenhum, embora sei a diferença entre sexo e fazer amor... Mas de momento a segunda opção está mais do que encerrada, essa ligação física e emocional... não dá. Não é assim tão simples.

Para além de tão depressa não me quero apaixonar, embora nisso não escolhemos, mas estou demasiado focada nas minhas coisas e em mim. Quero tanto e esse tanto só depende de mim, nem sei como lidar se alguém aparecer disposto a mais. Uma coisa é certa mais ninguém vai roubar a prioridade da minha vida, que sou eu. Não vou deixar os meus planos e sonhos de lado por alguém, ou deixar de fazer aquilo que quero. Aprendi bem desta vez, doeu e dói demais.

Quando me comprometer com alguém isso podem ter a certeza que é por gostar dela e não porque é suposto ter namorado ou simplesmente porque sim...

Daqui a menos de 2 meses vejo-me formada e já tenho planos para partir daqui... Adeus Lisboa já me cansei de ti, tenho os dias contados para te deixar... enquanto isso tiro proveito do melhor que tens por aqui...

 

Ali não há nada...nem vai haver.

That little girl

large (2).jpg

Sempre tive medo de te perder desde o início. E durante estes dois anos e pouco eu estaria disposta a fazer de tudo para que isso não acontecesse. Eu assumia e interiorizava a culpa quando algo não estava bem, e tu também a metias para mim de vez em quando e eu deixei. Cheguei mesmo a me rebaixar e deixar que coisas fossem ditas, coisas que não se deve dizer a ninguém. Lembro-me das conversas disparatas e que muitas vezes nem davas valor mas que eram as minhas inseguranças a falar. Como é que um rapaz como tu poderia ter olhado e querido uma rapariga como eu. Muitas vezes achei que eras demais para mim...

Obrigada por me fazeres ver o outro lado do mundo. Lembro-me de me calares as inseguranças com a simples frase: " Eu nunca vou embora amor, estarei sempre aqui para ti. Tu és eu", assim aprendi um cliché, palavras nada significam, o que se diz hoje não quer dizer que não faça o contrário amanhã.

Desculpa se às vezes fiquei por ser menina e não mulher. Mas agora a menina que conheceste não existe, essa fica calada a maior parte do dia. Eu não a deixo vencer, sinto-a, ela pensa que ainda te ama e quer estar contigo independentemente do que aconteceu, do que foi feito e dito, ela não liga ao tamanho da dor. Se eu a deixar ela apanha os pedacinhos do coração e te entrega de novo. Sem se importar como isto vai acabar, sem ligar a que na última vez mal se levantou e o sorriso dela quase foi levado. Ela simplesmente não se importa, para ela o coração dela é teu e dificilmente não será. Ela quer saber como estás e como a pudeste deixar assim, ela só quer a tua mão na dela e a cara no teu pescoço. Ela sente falta do seu melhor amigo, da pessoa a quem dava os bom dias e que acordava com um "boa noite minha piquinina, amo-te". Recordações, ela se agarra a elas, sem querer acreditar que essa pessoa não existe mais, e que talvez nunca tenha existido. Mas ela não acredita, o seu piquinino será sempre aquela pessoa que só ela pode descrever com aquele brilho nos olhos e sorriso maravilhoso.

Mas que menina mais inocente, que não vê mal em lado nenhum, que acredita no valor das palavras e acredita que sentes falta e pensas nela que ainda a ames de alguma maneira. Que absurdo, amor esse que não existe. Por isso que a deixo num cantinho. Ela acredita que as pessoas não têm segundas intenções... Ela acredita no amor e que o amor tudo vence. Ela acredita que tudo se encaixa no momento certo e é nesta altura que eu e ela somos a mesma. Nós nos completamos, ela me diz coisas ao ouvido e eu embalada adormeço com a sua voz e sempre com a esperança que amanhã o dia será melhor que hoje, que as tempestades sempre acabam. E eu lhe digo " és tão linda e forte que quase ninguém tem o poder de ver, fica comigo, tenho medo de virar uma adulta sem o seu lado menina, fica comigo, não me deixes...". Ela aos poucos vai embora, menina que foi destroçada e que ainda nem acredita no que aconteceu. Essa menina vai se tornando todos os dias mais nesta mulher que tens aqui hoje à frente. Que dificilmente acredita nas palavras, que não liga a quem não lhe quer dizer nada, que esta pouco se lixando para o que pensam dela, fazendo o que lhe faz ser feliz e bem consigo própria e apostando no que tem valor e não se fiando em palavras. Que aprendeu que mais ninguém vai conhecer toda a sua história porque ela nunca mais vai contar, nunca mais se abrirá como se abriu a ti, para quê dar munição a quem um dia vai usar a parte mais frágil dela para a diminuir e se desculpar e ir embora sem remorsos. Tudo tem a sua lição, e ela aprendeu que a dela tem de ser não confiar tanto e aprender que nem a pessoa que lhe jura mais bem, realmente lhe quer fazer bem e ver bem.